segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Cânion da Pedra - Jacinto Machado/SC

Sábado (13 de fevereiro de 2016) foi dia de conhecermos mais um interior de Cânion na Serra Geral em Santa Catrina. Partimos de Porto Alegre/RS às 04h40min, chegando em Jacinto Machado (240km de distância) às 7h40min. A estrada é muito boa, sendo que apenas nos 20 km finais (entre Sombrio e Jacinto Machado) a estrada é simples e em condições ruins.
Mas vale a pena rodar isso para fazer este trekking.
Nos encontramos em frente à Igreja Matriz de Jacinto Machado - eu a Débora, a Paty (irmã da Débora), a Thaise, o Hajiv (não tenho certeza que é assim que se escreve), a Maristela (guia), a Lú (condutora ambiental) e o Sérgio (Guia e Proprietário da "Na Trilha dos Canyons" - e seguimos em dois veículos por cerca de 15km entre asfalto e estrada de chão até chegarmos em uma propriedade na entrada do nosso trekking.

Todos prontos partimos então para enfrentar os cerca de 5km de trekking (ou cannyoning) até o Fundo das Bonecas, onde chegamos na Cachoeira Anna Schiratta. É um trekking pouco explorado por turistas, então a trilha é muito limpa e com alguns animais silvestres (no nosso caso fomos brindados com duas jararacas + um calango + um bugio fora inúmeros pássaros e insetos diferentes).




A trilha de ida é totalmente feita pelo rio Pai José, caminhando sobre seixos de pedras e pela água cristalina (cristalina mesmo). É inevitável molhar os pés, mas em um ponto é necessário entrar na água até a cintura, e, se quiser ir atá a cachoeira curtir o excelente poço para banho vai ter que nadar cerca de 4m e escalaminhar uma pedra (no nosso caso foi facilitada pelas cordas que o Sérgio instalou).













Chegando na cachoeira é impossível resistir ao poço de águas cristalinas, ali a gente se diverte muito.
O retorno do trekking é feito pelo mesmo caminho de ida, porém em um certo ponto pode-se entrar em uma trilha pelo mato para poder ganhar tempo na volta.


















Começamos o trekiing às 09h20min e retornnamos ao ponto de início da caminhada às 18h30mi, mas aproveitamos muito os poços de banho e a cachoeira. Tudo com muita tranquilidade.
Como SEMPRE, deixamos no local apenas nossas pegadas e trouxemos apenas fotos e lembranças.


segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Cascata Linha 5 de Novembro - Riozinho RS

chegada na recompensa
Cascata Linha 5 de Novembro (ou outra) - Riozinho RS
Distância e trajeto: do cruzamento da Freeway (BR 290) com a Av. Assis Brasil: 99 km de carro + 2,5 km de trilha pesada. Pegar a Av. Flores da Cunha, cruzar Cahoeirinha e seguir até Taquara, pegar à direita a RS 239 já em direção à Riozinho, passar por dentro de Rolante e seguir para Riozinho. Na cidade de Riozinho quando chegar na ponte sobre o rio Riozinho cruzá-la, pegarà direita rodar 350m e pegar à direita novamente em sentido à Linha 5 de Novembro. O asfalto vai se transformar em estrada de chão, seguir reto até a placa que indica Linha 5 de Novembro entrar à direita. Aí são cerca de 2.7km até uma estrada de chão, se é que podemos chamar de estrada, à direita se preferir estacione por alí e siga a pé. Você vai descer cerca de 1,3 km em direção ao rio (riacho) depois de encontrá-lo é só seguir rio acima, serão cerca de 1,5km parte pelo rio e parte por uma trilha do lado esquerdo. Cuidado, não se engane, para fazer esses 1,5km com muito cuidado para não cair vai mais de hora caminhando. Quem quiser tenho os arquivos "dgp" para GPS tanto do trajeto de carro quanto da trilha.
Essa trilha foi muito sinistra, pois cada pessoa que eu parava para perguntar onde era a cachoeira dizia a mesma coisa. "Não existe trilha, é mato fechado, tem que descer o penhascão, cuidado com as cobras". No início nós estávamos em  6 pessoas, estacionamos o carro em um ponto onde havia alguns pés de eucalipto cortados e uma pseudoestrada que descia, das 6 pessoas duas já desistiram e iriam para a cascata do Chuvisqueiro. Pedimos que esperassem um pouco para ver se conseguiriramos descer, cerca de 10 a 15 minutos depois voltamos, pois depois de enfrentar vários urtigões o meio do mato transformou-se um barranco enorme.
Primeira tentativa - errada
Dividimos então o grupo, 4 pessoas iriam para a cascata do Chuvisqueiro curtir o dia e eu e a Débora iriamos atrás dessa cascata, afinal tem um rio em algum lugar nesse penhasco. Olhei da estrada e vi uma serraria lá em baixo, perto do que achávamos que seria o rio, marquei no GPS um ponto virtual de onde seria a serraria. Pegamos o carro e voltamos cerca de 550m na estrada, onde encontramos outra pseudoestrada à esquerda, entramos com o carro por ela, meio na dúvida se conseguiriamos subir de volta com o carro, mas agora foi...Descemos então cerca de 180m com o carro e resolvemos estacionar por alí, pois não tinha nenhum "flanelinha"- hehehe.
URTIGÕES - aaaiiiii
Estacionamos, nos equipamos e fomos adiante. Essa é uma estrada de serraria, daquelas que as pessoas abrem para carregar as toras de madeira. Chegamos a um desbarrancado e depois de cruzarmos mais urtigões
continuamos ladeira abaixo por outra estrada. Chegando perto da serraria, apesar do vento nas árvores, conseguimos escutar a água correndo e dobramos à esquerda para entrar no leito de um rio,
início da trilha pelo rio
Isso também é a trilha pelo rio
totalmente pedregoso, escorregadio e fechado pela mata a sua volta. Até aí já foram percorrido 1,3km de onde estacionamos até a entrada no rio.
A caminhada pelo rio é muito divertida, mas aconselho a alongarem antes e depois desse trecho. Boa parte da caminhada é sobre pedras bem escorregadias e as vezes pelo mato. Entrávamos no mato somente quando se tornava muito difícil subir em alguma pedra.
O visual dessa caminhada também é incrível, passamos por diversas paisagens maravilhosas, alguns sapos, borboletas (aquelas azul neon com prata) gralhas gritando perto e muitas plantas diferentes. Eu sou alguém que fica o tempo todo olhando ao redor para ver se acho alguma coisa diferente, mas não esqueça, um olho sempre onde vai pisar.
Flores

Trilheira
Olha a textura do sapo
Pro alto e avante
Colônia
Visual
Depois de cerca de 1h20min, caminhando pelo rio, paramos para lanchar e decidimos que iriamos caminhar somente mais 30 minutos rio acima e se não encontrássemos a cachoeira iríamos voltar. Retomamos a caminhada e logo começamos a encontrar pedras muito grandes no leito do rio, aquelas provenientes de desbarrancamentos,
Pedras no caminho
 e então, 10min após retomarmos a trilha chegou nossa recompensa, uma cascata de mais de 35m somente para nós,
Valeu o esforço!!!

 cercada de paredões de ambos os lados, como se fosse o fim ou o início de um pequeno canion. Olhando os paredões à esquerda dava para ver diversas "cavernas" ou buracos que deixaram a vontade de descer de rapel até lá para ver como são por dentro (mas isso fica para outra vez)..
Chegamos então na cascata da Linha 5 de Novembro, será? não sabemos ao certo que cascata é essa, mas quando eu confirmar eu edito essa postagem.
A seta mostra a Débora



Depois de um bom descanço, muitas fotos, um excelente banho de cachu para recarregar as energias começamos nosso retorno pelo leito do rio. Porém logo no início (ou seria no fim?) resolvemos seguir pelo mato, do lado direito de quem retorna, e achamos uma trilha que nos levou boa parte do trajeto em uma velocidade muito maior do que aquela que viemos.

Para terem uma idéia, a trilha dentro do rio até a chegada na cascata levou cerca de 1h30min e o retorno 1h10min.
É isso então, eu e a Débora fomos a mais uma cascata que não conhecíamos e adoramos, mesmo que o saldo de arranhões e queimadas de urtigão ter sido bem grande. Aqui vai a dica: se for fazer uma trilha que não conhece, utilize calças compridas e bem confortáveis além de um calçado fechado, tipo tênis ou botas.
Ah... já ia esquecendo, conseguimos subir de volta com o carro para a estrada principal.
Abração

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Cascata Linha 7 - Riozinho RS

Distância e trajeto: do cruzamento da Freeway (BR 290) com a Av. Assis Brasil: 107 km de carro + 1,1 km de trilha. Pegar a Av. Flores da Cunha, cruzar Cahoeirinha e seguir até Taquara, pegar à direita a RS 239 já em direção à Riozinho, passar por dentro de Rolante e seguir para Riozinho. Na cidade de Riozinho quando chegar na ponte sobre o rio Riozinho não cruzá-la, pegar a estrada da direita, aí se vc não tem GPS o ideal é ir perguntando. Chegando no fim da estrada (beira do rio) estacionar, atravessar o rio e iniciar a trilha. O principal cuidado é uma bifurcação a cerca de 300m depois de iniciada a trilha, se você olhar direito verá que a trilha da esquerda começa uma subida, pegar então a da direita, seguir por ela, vai atravessar o rio (pela água) uma única vez. Quando chegar à primeira cachoeira olhe que acima dessa está a outra. Quem quiser tenho os arquivos "dgp" para GPS tanto do trajeto de carro quanto da trilha.


Aqui nós não sabemos quem é o dono das terras, onde a gente estaciona têm algumas casas muito simples bem próximas. Nessa trilha são duas cachoeiras excelentes para banho, podendo inclusive saltar, mas não esqueça de sempre vistoriar o poço antes de pular pois pode ter caido alguma árvore ou pedra.
O visual é maravilhoso, a água (transparente) nem se fala, é um ótimo local para se passar o dia curtindo a natureza. O fundo é bem pedregoso, então é bom ir com um calçado para molhar. Não esqueça de levar água para beber e lanche e o mais importante, não esqueça de trazer seu lixo de volta.
Ao subir da primeira para a segunda cachoeira, pela trilha no mato, tome muito cuidado, pois a trilha é um tanto íngrime e cercada de pés de Xaxim (http://pt.wikipedia.org/wiki/Xaxim) e seu caule é coberto de longos espinhos que paressem agulhas finíssimas, então se você escorregar crave os dedos no chão mas não segure-se em nada. Aliás, a trilha é repleta de arbustos e árvores com espinhos, então tome cuidado.
 
No final o pessoal ficou reclamando dos borrachudos no carro, isso que saímos cedo, tocados pela chuva que estava começando, então se quiser leve um repelente.
Na volta uma paradinha básica na padaria de Rolante para comer uma "Delícia de Côco", um bolinho bem molhadinho....
Agora é só se programar e ir até lá!!!

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Cascatas do Paredão de Baixo - Morungava/RS

Distância e trajeto: do cruzamento da Freeway (BR 290) com a Av. Assis Brasil: 42,7km. Pegar a Av. Flores da Cunha, cruzar Cahoeirinha e seguir em direção à Taquara pela RS 020, na localidade de Fazenda Fialho do lado direito tem a Sociedade do Canto, logo ao lado tem uma estrada de chão, seguir por ela em direção as terras dos Morenos, são cerca de 4km de estrada de chão muito boa.

Ao chegar na propriedade dos Morenos, logo que você sobe a entrada, a esquerda estão as casas do Morenos, como de costume eu sempre pesso permissão para entrar nas terras, estaciono o carro por ali e sigo a pé em uma caminhadinha bem fácil.
Aqui você encontrará 5 cascatas sendo 2 de fácil acesso e 3 você precisará fazer uma "escalaminhadinha" simples, até crianças conseguem fazer com ajuda, mas não esqueça de sempre utilizar uma segurança, um pedaço de corda.
primeira cascata
A primeira cascataem pouca água, o véu é largo e o poço em baixo bem raso, mas é bonita de ver...
A segunda cascata é a mais visitada, tem um poço bom para banho mas fica sempre na sombra, é muito bonita também.
segunda cascata
a terceira cascata é pequena e praticamente só faz a ligação entre a segunda e a quarta cascatas, tem um buraco bem estranho alí...
terceira cascata
a quarta cascata é minha preferida, excelente local para banho e o visual muito bonito. Para chegar até ela é preciso fazer a "escalaminhada" que falei, mas é fácil e vale a pena...
quarta cascata

A quinta cascata é muito bonita, fica bem fechada entre pedras, essa cascata tem pinos em cima para se alguem quiser se aventurar em um rappel por ela, eu nunca fiz...
quinta cascata
da quinta cascata rio abaixo já caminhei por umas duas horas e não encontrei mais nada de interessante, sempre por dentro do rio, no máximo com água na cintura.
escalaminhada na parede
Esse é o paredão de Baixo, da minha casa são apenas 45km sendo apenas 4 de estrada de chão muito boa, então é um passeio bem gostoso de se fazer, mas para quem gosta de evitar os "farofeiros" fica a sugestão de não ir no domingo após o meio dia...
Abraços